Certas Coisas Significam o quê?

Vale tentar-se em algo maior?
A tentativa cabe ?
Não seria mais lúcido proteger-se do provável sofrimento?
ou mais inteligente ouvir aqueles que o aconselham a não ir?

Apostar na mínima possibilidade é saudável?
Ilimitar a flexibilidade da paciência não seria uma sutil forma de fuga?
Manter expectativas quase impossíveis não seria na verdade negação?

Como é permanecer parado?
Ter como única ação a passividade?
Conviver ao mesmo tempo com boas lembranças e cruéis dúvidas.
Imaginar a real dimensão do seu próprio significado,
apavorar-se com a idéia dele ser mínimo.

Como é permanecer num ponto à espera de um ônibus que talvez já tenha passado?
Apostar na hipótese de que ele atrasou-se?
Viver a terrível angústia de que ele talvez ainda passe, porém lotado.
Mas quem sabe, o seu lugar ainda esteja lá, reservado, lado a lado.

Reviver lembranças é um ato de coragem?
Com certeza ao lado das boas coisas vividas virão também as não tão boas.
O fato é que eu não conheço outro modo
de reconhecer as situações em que se foi fundamental.
À consciência de não ter-se negado à um papel que,
em determinados momentos, cabia exclusivamente à você.

Apesar das dúvidas,
das possibilidades poderem significar sofrimento,
das chances não parecerem as melhores,
é muito bom conviver com a certeza de que
a ação correspondeu ao que o momento exigia,
o coração esteve liberado sem nenhum temor,
cada bom momento foi muito bem curtido,
de algum modo me alimentei.

Este é o meu modo de acreditar.
Tomara conte sempre com ele,
tomara eu nunca venha a duvidar que o meu Sol raiará de novo!